sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Você se veste de quê?

    Me vestir certamente é uma forma de me expressar.
    O ato de se vestir todos os dias pode parecer muito simples; é como você vai passar a sua imagem hoje.
    A roupa não diz tudo, mas um pouco sobre você. Várias pessoas são identificadas pelo jeito de usar as suas roupas.Você conseguiria pensar na Lady Diana com uma roupa de Madonna? Credo....
    A indumentária pode também transformar uns em outros; podemos ser quem quisermos. "Somos frutos da Nossa imaginação. " È importante saber que trocar a nossa personalidade não é o mesmo que trocar de roupas. Pode-se melhorar assim como colocar mais um botão, diminuir no comprimento da saia ou colocar uma manga...A moda é uma espécie de expressão cultural, porque com a sua roupa muitas vezes diz onde você mora, em que acredita e do que você gosta.
     Ter um estilo definido é o mais importante, ter uma "label " só sua, uma identidade. É tão gostoso quando alguém diz: "Isso é a sua cara!!"
      Ser você mesmo ainda é o mais fácil e prazeroso, sem se preocupar com o que os outros dizem e pensam.        *S2 *
                                          

sábado, 22 de outubro de 2011

Tênis Vans!!

Ter um tênis Vans é como ingressar em um clube. Este não é um clube com um monte de regulamentos, mas o preço da individualidade e do espírito de liberdade. Estes são elementos que começaram com uma moda mais de cinqüenta anos, mas conseguiu manter-se em todos os tempos.
Você encontra o seu Vans na Manifesto em Betim.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

domingo, 4 de setembro de 2011

Costura do Invisível

Estive estudando sobre Jum Nakao nas últimas semanas e vou compartilhar com todos.
Em junho de 2004, durante a São Paulo Fashion Week, o estilista brasileiro Jum Nakao desfilou, diante de uma platéria de mil e duzentas pessoas, uma coleção inteira feita unicamente de papel, com referências estéticas do final do século XIX. As modelos, em suas roupas de papel rendado, extremanente delicadas e elaboradas, utilizavam perucas de plástico estilo Playmobil.
Ao final do desfile, quando tudo parecia estar decifrado, as frágeis roupas foram destruídas pelas próprias modelos em plena passarela, fazendo com que o público se tornasse parte de todo o processo criativo. O ousado trabalho consumiu meia tonelada de papel vegetal e 700 horas
de trabalho de uma equipe de mais de cem pessoas. Todo o trabalho foi mantido em segredo, inclusive das modelos, que não sabiam que teriam que rasgar as roupas. O desfile inusitado virou um livro, editado pela Senac e um DVD, intitulado de "A Costura do Invisível".
Vale a pena assistir ao desfile e ler o livro!!!





quinta-feira, 30 de junho de 2011

Jeans Eterno, Jeans


Quase todo mundo usa jeans, quase todo mundo adora roupas jeans, mas poucos sabem onde e como surgiu o Jeans. O jeans é a peça mais usada no dia-a-dia por várias gerações, mas poucas pessoas sabem a sua real história. Dizem que a primeira vez que a palavra 'jeans' foi usado para designar a roupa foi em 1567, em uma descrição das calças dos marinheiros que viviam na cidade italiana de Gênova.
As famosas tachinhas de cobre vieram depois para dar uma resistência maior aos bolsos, pois eles não estavam resistindo ao peso à que eram submetidos; sendo assim, os pontos mais críticos das calças foram reforçados e ela se tornou altamente durável.
Essa evolução das calças jeans fez com que elas fossem tratadas como indispensáveis hoje em dia, principalmente quando se pensa em moda. A peça começou a ganhar notoriedade no vestuário do cotidiano quando Levi-Strauss teve a idéia de criar uma roupa que fosse resistente para os trabalhadores das minas nos Estados Unidos.
O que começou com uma experiência de três peças confeccionadas com uma lona reforçada, tornou-se a calça mais usada no mundo todo. O sucesso entre os mineradores foi imediato: elas eram altamente resistentes e não estragavam com facilidade.
A partir disso mais e mais trabalhadores começaram a usar o jeans para as tarefas que exigiam uma maior força física. Apenas a partir do século 20 é que a peça começou a ser usada no dia-a-dia. O primeiro estilista a colocar o tão famoso jeans na passarela foi Calvin Klein, em 1970, fazendo com que o produto chegasse a todas as classes sociais.
As mulheres ganharam com a adição do elastano, algodão e poliéster que dá caimento e ajuste perfeito ao corpo feminino. Para diferenciar uma calça da outra, as empresas começaram a fazer uma lavagem da peça.
A mais comum até hoje é a utilização de pedras vulcânicas para dar um ar gasto ao tecido. Essas pedras especiais são colocadas junto ao jeans dentro da máquina de lavar industrial. Já as rasuras são produzidas com ferramentas de construção, como por exemplo, a esmerilhadeira.
Muito interessante não é? Agora para além de usar as suas calças jeans, você também conhece a história!

terça-feira, 28 de junho de 2011

A Moda é um sonho!

A moda pra mim é um sonho a se realizar todos os dias, como uma construção a ser feita, de vagar.
Como todo sonho é difícil de se realizar, mas gratificante e prazeroso quando alcançado!
Realize os seus, seja o que for e também sentirá!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Paixão Feminina Por Sapatos...

Há séculos que as mulheres perdem a cabeça por causa dos sapatos. Josephine, a primeira
esposa de Napoleão Bonaparte desfilava com 5 ou 6 pares diferentes todos os dias. Maria
Antonieta jamais usava o mesmo sapato duas vezes, possuía mais de 500 pares, catalogados
por cor, modelo e data. Alguns tão delicados que só os podia usar sentada, pois não serviam
para caminhar. E como não falar de Imelda Marcos, a famosa ex-primeira dama das
Filipinas, que possuía mais de 3.000 pares.

O mundo está cheio de mulheres com histórias ligadas aos sapatos. A rainha da Inglaterra,
por exemplo, sempre tem dois pares de sapatos iguais em seu guarda-roupa, e quando viaja,
leva consigo modelos em dobro, para substituições em caso de acidentes. Marilyn Monroe
adorava sapatos, todos de salto, bem provocantes, e os considerava mais importantes que a
lingerie. Greta Garbo, que não tinha um pé delicado, dedicava especial atenção aos seus
sapatos, sempre discretos para não fazerem notado o tamanho de seus pés.